Em Poconé, Nilson Leitão recebe apoio de prefeito e moradores

O candidato a senador Nilson Leitão (PSDB) visitou o município de Poconé na manhã desta terça-feira (21), e foi parabenizado pelo prefeito Tatá Amaral, do PR, e moradores, por ter ido recentemente ao Ministério do Meio Ambiente, em Brasília, e levado ao ministro Edson Duarte toda a insatisfação dos pantaneiros diante da ampliação de áreas de preservação por meio de decretos.

Alcides Caetano Martins, o Sidão, disse que o apoia justamente pela coragem de Nilson Leitão em entrar em temas ‘espinhosos’, porém que é de interesse da população mato-grossense.

“Apoio Nilson Leitão, pois tenho grande admiração por ele, pois ele é destemido e precisamos de pessoas com coragem, que pensa primeiro no cidadão”, disse ele.

O prefeito Tatá Amaral reforçou o apoio a Nilson Leitão, ao qual já tinha anunciado, mesmo sendo filiado a um partido que está em coligação concorrente.

“Não há como não apoiá-lo, queremos o Nilson em Brasília, no Senado Federal, representando a nossa Baixada Cuiabana, representando bem o nosso Mato Grosso”, afirmou.

ICMBio

A ampliação prevista pelo ICMBio cria duas novas áreas de conservação e aumenta outras duas. Estudo do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) indica que 103 produtores que possuem propriedades na região serão afetados pela medida.

Nilson Leitão lembra que “são pantaneiros que estão lá há muito tempo, desde seus tataravôs”.

“Isso gerou uma crise, uma instabilidade jurídica absurda. É nossa função alertar ao Governo Federal e ao Ministério para que parem com isso, que não passa de uma forma de agradar organizações internacionais e ambientalóides que não estão preocupados nem com os brasileiros. No Pantanal não tem soja, não tem milho… Tem apenas gado, que é natural da região e faz parte daquela linda paisagem”, explicou.

“Nós vamos impedir isso com muita luta política. Já conseguimos que o ministro suspenda qualquer encaminhamento nesse sentido junto ao ICMBio até que uma nova conversa seja marcada, que deve ocorrer em novembro. Até lá tem muito tempo para nos organizarmos. O Governo de Mato Grosso é contrário a essa ampliação, as bancadas federal e estadual também, prefeitos, vereadores e todos os pantaneiros. O estado inteiro não pode ser afrontado com esse tipo de ação de parte do Governo Federal, que neste caso é apenas o ICMBio”, concluiu Nilson Leitão.

Adicionar comentário