Realizações

Ao longo de seus dois mandatos como deputado federal, Nilson Leitão empunhou bandeiras para ajudar no desenvolvimento social e econômico, além da melhoria dos índices de saúde e educação no Mato Grosso. O trabalho se deu em frentes como a apresentação de projetos e indicações, destinação de emendas e a provocação e participação em debates envolvendo autoridades dos três entes da federação (municipal, estadual, federal):

Obras de infraestrutura em Mato Grosso

Infraestrutura

Sendo Mato Grosso o maior produtor de grãos do país e ciente da precariedade doas rodovias que cortam o estado, Nilson Leitão destinou recursos através de emendas de bancada para a ajudar na pavimentação da rodovia BR-174, por exemplo. Defendeu também a conclusão da pavimentação da BR-163, além do avanço das obras de duplicação da rodovia na regional Norte do estado, tendo inclusive pedido a suspensão da cobrança do pedágio enquanto a concessionário não iniciar a duplicação. A pavimentação do trecho mato-grossense da BR-242 também foi defendida. O parlamentar lutou ativamente pela ampliação das hidrovias, aproveitando o potencial aquaviário dos rios de Mato Grosso. Defendeu a extensão dos trilhos da Ferronorte e a implantação da Ferrogrão, que ligará Mato Grosso ao Pará, ajudando no escoamento da produção.

Nilson Leitão trouxe o curso de medicina para a Universidade Federal em Sinop.

Educação

A primeira medida tomada em relação a Educação foi a indicação para que Sinop tivesse a Faculdade de Medicina no Campus da Universidade Federal em Sinop. O pedido foi feito em agosto de 2011, um mês após a posse na Câmara. A primeira turma iniciou os estudos em 2014. Leitão defendeu também a ampliação das universidades com a abertura de novos Campus em regiões não atendidas pelo ensino público, além da oferta de cursos fora da sede, ou seja, a abertura de cursos de nível superior em sistema modular, em parceria com as prefeituras. Destinou recursos para aparelhamento da UFMT e da Unemat em Sinop. Suas emendas também foram usadas para melhorar a estrutura das escolas de ensino básico como a compra de modernas carteiras escolares e equipamentos de audiovisual para tornar as aulas mais dinâmicas.

Nilson Leitão trouxe diversos investimentos para a saúde no Mato Grosso e em Sinop, além do tratamento contra o câncer pelo SUS.

Saúde

Destinou recursos de emendas para a melhoria da infraestrutura das unidades de saúde básica e para a compra de equipamentos. Conseguiu o credenciamento do Hospital Santo Antonio, em Sinop, para atendimento de pacientes com câncer pelo SUS e conseguiu incluir Sinop e Rondonópolis no Plano de Ampliação da Radioterapia. Recursos de suas emendas também foram usados para a instalação de academias ao ar livre, em praças de diversas cidades mato-grossenses.

Nilson Leitão liberou milhões de reais para o melhor funcionamento do Exército em nosso estado.

Exército

Desde os tempos de prefeito vem trabalhando no sentido de conquistar a presença do Exército Brasileiro em Sinop. Após diversas reuniões com o comando da força militar, ficou decidido que o município será sede de um Batalhão de Infantaria Motorizada. Parte dos recursos necessários para desenvolver o projeto da nova unidade militar foram alocados através de emendas de sua autoria no Orçamento da União

Nilson Leitão atua em defesa das comunidades indígenas em Mato Grosso.

Indígenas

Nilson Leitão foi o primeiro deputado a promover o debate sobre as causas indígenas na Câmara. Foi o autor do pedido de criação da CPI da Funai/Incra, que investigou a fundo as atividades da Fundação Nacional do Índio e do Instituto Nacional da Reforma Agrária tanto na questão de demarcação de terras indígenas e quilombolas como também nos assentamentos, invasão de terras e desvios de recursos e de finalidade dos órgãos de governo.  O relatório final de Nilson Leitão pediu o indiciamento de 67 pessoas. O trabalho foi no sentido de garantir que a população indígena possa ter tratamento digno com acesso à saúde, educação e segurança.

Nilson Leitão lutou ativamente para que o setor produtivo possa trabalhar com liberdade e responsabilidade, unindo o ecologicamente correto com o economicamente viável. Como presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária atou junto ao governo para desburocratizar o setor. Atuou na modernização do Código Florestal, no novo marco legal para o licenciamento ambiental e a garantia ao direito de propriedade através da regularização fundiária rural e urbana, sendo, inclusive, autor de uma emenda à medida provisória, ampliando a área destinada a regularização na Amazônia Legal. É autor da lei que permitiu ao setor produtivo renegociar o pagamento de débitos do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

Agronegócio

Nilson Leitão lutou ativamente para que o setor produtivo possa trabalhar com liberdade e responsabilidade, unindo o ecologicamente correto com o economicamente viável. Como presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária atou junto ao governo para desburocratizar o setor. Atuou na modernização do Código Florestal, no novo marco legal para o licenciamento ambiental e a garantia ao direito de propriedade através da regularização fundiária rural e urbana, sendo, inclusive, autor de uma emenda à medida provisória, ampliando a área destinada a regularização na Amazônia Legal. É autor da lei que permitiu ao setor produtivo renegociar o pagamento de débitos do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

Agricultura Familiar

Seu primeiro projeto como deputado federal foi o ‘Agente Comunitário da Terra”, cuja proposta é levar orientação aos pequenos produtores, sejam eles da agricultura familiar ou assentados da reforma agrária. A visita técnica deve ser feita por um técnico agrícola e supervisionada por um engenheiro agrônomo ou médico veterinário, no caso da pecuária. O trabalho deve funcionar nos mesmos moldes do Agente Comunitário da Saúde. Conhecedor das dificuldades encontradas pelos pequenos produtores, destinou recursos de suas emendas para a compra de máquinas e equipamentos, as chamadas patrulhas mecanizadas, usados de forma consorciada nas comunidades agrícolas.